mulher empoderada

O estereótipo dita que mulheres deveriam se interessar por dicas de saúde e beleza, cuidado dos filhos e cuidado do lar. Mas engana-se quem pensa que o universo feminino se resume apenas aos clichês patriarcais e machistas. Dados sobre buscas realizadas na internet mostram como nossos interesses vem mudando ao longo do tempo, indo muito além dessas caixinhas estereotipadas e ganhando cada vez mais força política.

Pesquisas sobre igualdade de gênero e direitos das mulheres cresceram expressivamente nos últimos anos. Segundo estudo realizado pelo Google, somente o termo empoderamento feminino teve um crescimento de buscas no Brasil cerca de 4x maior em 2017 do que em 2012.

Neste artigo, você vai entender um pouco mais sobre o que significa empoderamento feminino, como esse conceito permeia a vida das mulheres brasileiras na atualidade e a sua relação com a sexualidade positiva com o que chamamos de empoderamento pelo caminho do prazer.

O que é empoderamento feminino?

mulher empoderada olhando para câmera

Empoderamento é um processo pelo qual pessoas, grupos e comunidades assumem poder e controle sobre a própria vida e sobre tudo aquilo que lhe diz respeito, com consciência de  que possuem capacidade e competência para decidir sobre o próprio destino.

O termo empoderamento foi apropriado por muitos movimentos sociais, e naturalmente encontrou o seu lugar também dentro do movimento feminista no que diz respeito ao poder e controle de mulheres sobre a própria vida.

Leia também: Masturbação Feminina: benefícios e como ter mais prazer com menos tabu

Feminismo

feminismo

O feminismo é um movimento ideológico, social e político que visa a garantia de direitos e equidade entre os gêneros nos mais diversos aspectos da vida: trabalhista, social, econômico, familiar, sexual, etc. É formado por estudos, bases teóricas, possui múltiplas vertentes e está em constante processo de desenvolvimento.

Empoderamento Feminino

mulher sorrindo olhando para a câmera

O processo de empoderamento das pessoas fruto deste movimento, portanto, recebe o nome de empoderamento feminino. Que por sua vez se traduz nas ações e nos esforços individuais e coletivos de mulheres ocupando posições de poder dentro dos espaços onde estão inseridas (lar, trabalho, sociedade), com consciência e autonomia da sua capacidade para decidir sobre o próprio destino.

Empoderar-se para a mulher, nesse sentido, é o ato de tomar o poder sobre si, de reger a própria vida e tudo mais o que lhe disser respeito, como a sua comunidade, sem precisar se subjugar ou abrir mão das suas próprias subjetividades para isso. 

Leia também: Orgasmos múltiplos feminino: O que são? Qual é a sensação?

Como surgiu o empoderamento feminino?

como surgiu o empoderamento feminino

O empoderamento feminino nasce com o amplo movimento feminista ocorrido em diversos países entre o final do século XIX e início do século XX. 

Esses movimentos confrontavam os papéis limitados de gênero e o poder social, político e econômico centralizado nas mãos dos homens. Reivindicando que nós, mulheres, não só éramos capazes de muito mais do que aquilo que essa sociedade patriarcal e opressora nos reservada, como também queríamos muito mais. 

Uma das principais pautas desse movimento em diversos países quando ele se iniciou era a questão do sufrágio feminino (direito ao voto), que acreditava-se ser uma das mais importantes forças de transformação da sociedade, e portanto, capaz de promover a equidade de gênero defendida pelo feminismo.

Leia também: Dificuldade para gozar: o que pode estar te impedindo?

Empoderamento feminino no Brasil

mulheres diversas reunidas

A quebra da estrutura de dominação masculina ganha maior tração no Brasil no começo do século XX, com mudanças na legislação e na cultura brasileira. 

A conquista das mulheres pelo direito ao voto acontece em 1932, mas contemplando apenas as mulheres que fossem alfabetizadas, assalariadas e devidamente autorizadas por seus maridos (caso fossem casadas). As restrições ao voto feminino seriam derrubadas somente 2 anos depois, mas ele continuaria a ser considerado um dever obrigatório exclusivamente masculino até 1946.

As organizações de mulheres se expandiram e diversificaram muito ao longo dos anos que se seguiram. Mas subverter o machismo institucionalizado, bem como as relações patriarcais que se estabelecem no lar ou fora dele, as estruturas sexistas e a manutenção dos privilégios de gênero na nossa sociedade continuam a ser desafios atuais e urgentes do empoderamento feminino, e um trabalho contínuo.

Princípios do Empoderamento das Mulheres

mulher olhando para a câmera

É por essa razão que organizações como a ONU Mulheres vem atuando para orientar a sociedade a respeito das boas práticas que podem ser adotadas para promoção da equidade e igualdade entre homens e mulheres no local de trabalho, no mercado, em sua cadeia de valor e na sociedade. 

Conheça os 7 Princípios de Empoderamento das Mulheres:

  1. Estabelecer liderança corporativa sensível à igualdade de gênero, no mais alto nível;
  2. Tratar todas as mulheres e homens de forma justa no trabalho, respeitando e apoiando os direitos humanos e a não discriminação;
  3. Garantir a saúde, segurança e bem-estar de todas as mulheres e homens que trabalham na empresa;
  4. Promover educação, capacitação e desenvolvimento profissional para as mulheres;
  5. Apoiar o empreendedorismo de mulheres e promover políticas de empoderamento das mulheres através das cadeias de suprimentos e marketing;
  6. Promover a igualdade de gênero através de iniciativas voltadas à comunidade e ao ativismo social;
  7. Medir, documentar e publicar os progressos da empresa na promoção da igualdade de gênero.

Confira a cartilha da ONU sobre os princípios de empoderamento das mulheres.

Importância do empoderamento feminino e seus impactos na sociedade

mulher andando na rua

Desde a conquista do direito ao voto feminino em 1932, o movimento feminista é marcado por muitas outras frentes, conquistas e avanços por um Brasil mais igualitário. 

O Princípio do Empoderamento das Mulheres é um exemplo disso, mas existem ainda outras conquistas no âmbito social que podem ser destacadas: como:

  • a lei da Igualdade de Oportunidade de Crédito (1974),
  • o direito à prática do futebol e outros esportes (1979),
  • a igualdade de gênero reconhecida perante a Constituição (1988),
  • a sanção da lei Maria da Penha (2006)
  • e da lei da Importunação Sexual (2018),
  • entre outros.

No entanto, é importante destacar que o reconhecimento da igualdade entre os gêneros e a conquista de direitos são passos importantes para a sociedade, mas não representaram uma mudança expressiva na condição de vida de muitos grupos de mulheres brasileiras ao longo das décadas, principalmente mulheres trans, negras, periféricas e/ou em situação de pobreza

Leia também: Como aumentar a libido feminina: 4 dicas e reflexões cruciais!

O empoderamento feminino empodera todas as mulheres?

mulher de perfil

Cabe em nossa reflexão sobre esse tema destacar que, inicialmente, o movimento feminista que se propunha universal a todas as mulheres foi marcado, na verdade, pelas demandas e necessidades de mulheres cisgênero brancas de classe média e alta. Fazendo uma analogia com um cenário tipicamente brasileiro, é como dizer que o empoderamento chegou para a patroa que é dona de casa, mas não para a trabalhadora doméstica.

Quem pode desconsiderar as múltiplas formas de opressão?

mulher olhando para a câmera

Ao pautar e priorizar os temas a partir dos interesses do seu próprio grupo, focando em políticas de gênero e desconsiderando opressões interseccionais como o racismo, classismo e a lgbtfobia, líderes brancas dentro do movimento falharam no reconhecimento e na defesa da necessidade das mulheres de todas as classes, raças e identidades. Somente elas próprias poderiam usufruir do privilégio de desconsiderar as múltiplas formas de opressão na constituição da sua identidade.

Leia também: Masturbação é pecado? Por que tanto tabu sobre o prazer feminino?

Racismo dentro do feminismo

peões da mesma cor distantes de um peão de cor diferente

Dessa forma, o movimento favoreceu de maneira mais expressiva a ascensão social, o empoderamento e a autonomia de alguns poucos grupos específicos de mulheres, que por sua vez já usufruiam de uma série de privilégios simbólicos e materiais pela condição da sua racialidade branca. 

Embora direitos tenham sido conquistados para muitas, as políticas e ações para que se possa usufruir plenamente desses direitos chegou para poucas. Isso criou um abismo de desigualdade entre mulheres que levou ao fortalecimento e consolidação de visões mais interseccionais sobre o feminismo e o empoderamento feminino, e no surgimento de designações mais específicas para esses grupos.

Empoderamento feminino negro

mulher negra de olhos fechados

Considerando a contínua desvalorização e hostilização da mulheridade negra na sociedade, até mesmo por mulheres brancas dentro do movimento feminista, o empoderamento feminino negro considera, para além do sexismo, o efeito exercido pelo racismo e outras formas de opressão sobre a identidade e a socialização da mulher.

A intelectual bell hooks defende que foram algumas mulheres, especialmente mulheres cisgênero brancas de classe média/alta, as responsáveis por subverter o verdadeiro significado do feminismo e do empoderamento feminino ao se ancorar no movimento em prol apenas dos seus próprios interesses particulares, e não de todas as mulheres ou da grande maioria de mulheres. 

O feminismo em si, segundo ela, deveria ser um compromisso para a erradicação de todas as ideologias de dominação, e isso inclui o sexismo mas também o racismo, o classismo, o cissexismo e a heteronormatividade, só para citar alguns. 

Conceito empoderamento feminino negro

Nesse sentido, o que se entende por empoderamento feminino negro é, na verdade, um retorno à essência do empoderamento feminino em si, que na prática foi subvertido por mulheres em posição de privilégio racial ao longo da nossa história. 

Afinal, o empoderamento só poderia ser genuíno se considerasse o bem comum a todas as mulheres, a partir de uma perspectiva antielitista, antirracista e antissexista de como queremos transformar a sociedade e a consciência das pessoas que fazem parte dela. Qualquer coisa diferente disso faz a manutenção de estruturas de poder e dominação, o que seria diferente do feminismo em sua essência.

O empoderamento pode começar pela reivindicação do seu corpo

mulher de costas nua

A jornada de empoderamento da mulher é ampla e envolverá diversos aspectos da sua vida: sua individualidade, suas relações afetivas, familiares, de trabalho, de amizade, de sexo. E existem muitas vias pelas quais você pode se empoderar: estudos, negócios, política, arte, esportes. No vídeo abaixo, por exemplo, trazemos uma percepção da Thaísa Machado, fundadora do Afrofunk do Rio de Janeiro, sobre o processo de empoderamento do corpo através do funk.

Na Prazerela, nós oferecemos caminhos de empoderamento pela via do prazer através de conteúdos autorais, aulas, cursos e terapias para o despertar da sua potência orgástica, tudo com muito acolhimento e respeito à sua história. 

Na prática, observamos que a redescoberta da sexualidade positiva e do potencial sensorial do corpo são caminhos de verdadeira libertação e fortalecimento da autonomia para as mulheres. E isso acaba reverberando e impactando as outras dimensões da sua vida.

Por isso, empoderamento do prazer não é apenas sobre os orgasmos intensos que você pode atingir com a Terapia Orgástica, mas algo mais amplo: é um processo de redescoberta da sua sensorialidade, das suas potências e de celebração sua mulheridade, que é única, particular e repleta de subjetividades.

Leia também: Ejaculação feminina: existe? É um orgasmo? Mitos e verdades

Conclusão

Seu empoderamento pode começar por onde desejar, desde que comece sempre por você!

Se você gostaria de construir uma nova relação com o seu prazer de viver, não deixe de conhecer o nosso programa online de 21 dias: A Revolução Será Prazerosa. Mas se você está buscando algo com maior foco para o sexo e a sexualidade, confira quando será a próxima turma do nosso curso online de 8 semanas: Empoderamento do Prazer Para Mulheres com Vulva.

Que tal continuar a leitura?

comentários

Seja a primeira a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.