Início » Sexo e Sexualidade » O que é sexualidade positiva e o despertar da potência orgástica?
o que é sexualidade

Muitas pessoas não sabem ao certo o que é sexualidade, capítulo 1 da nossa existência e que tem muita importância para as nossas vidas, apesar de muitas vezes ignorarmos ou confundirmos com o capítulo 2: o sexo.

Uma quantidade menor ainda de pessoas sabe o que é sexualidade positiva.

Por isso, neste artigo o nosso objetivo é retornar ao capítulo 1 dessa história para compartilharmos com você o nosso entendimento a respeito da sexualidade humana e da possibilidade de vivenciá-la de uma forma mais positiva e potente.

O que é sexualidade?

o que é sexualidade

Definir o que significa sexualidade é algo desafiador, pois este é um assunto multidisciplinar. O que faz com que o seu significado seja amplo para interpretações.

No nosso entendimento, a sexualidade humana é uma experiência sensorial e de autoconhecimento que começa no início da nossa vida.

Ela está presente a partir do momento que passamos a interagir com o mundo ao nosso redor, desencadeando a descoberta das possibilidades sensoriais do nosso corpo, das sensações criadas pelos nossos 5 sentidos, das nossas emoções, dos nossos prazeres e até mesmo dos nossos desconfortos.

Ou seja, sexualidade é uma parte integrante de quem somos, de como nos expressamos e experimentamos o mundo ao nosso redor.

Leia também: Masturbação Feminina: benefícios e como ter mais prazer com menos tabu

A sexualidade durante a gestação

sexualidade durante a gestação

Quando ainda somos bebês e estamos dentro do ventre, já somos capazes de vivenciar as nossas primeiras experiências sensoriais por volta da 15ª a 20ª semana de gestação. Quando o nosso sistema nervoso já está um pouco mais desenvolvido e o nosso cérebro conectado ao restante de todo o corpo.

É nesse momento que se desenvolvem as áreas específicas para processar o olfato, tato, paladar, audição e visão. Com isso, ganhamos a habilidade de sentir. Nos tornamos capazes, por exemplo, de ouvir as batidas do coração e a voz de quem está nos gestando. Sequer nascemos ainda, mas já vivenciamos essa experiência sensorial da nossa sexualidade.

Leia também: Como aumentar a libido feminina: uma reflexão nada óbvia

A sexualidade durante a infância

sexualidade na infância

Ainda na infância continuamos esse processo de descoberta das sensações do nosso corpo e, principalmente após o desfralde, da descoberta das sensações dos nossos órgãos sexuais. Mas ainda não há nada de erótico e sexual nessa exploratória.

Se imagine no lugar dessa criança que teve uma parte do seu corpo oculta por tanto tempo pelo uso da fralda. Esse interesse pela região genital nada mais é do que uma enorme curiosidade por essa área que agora pode ser facilmente acessada, tocada e explorada. Mas é natural que esse interesse seja gradualmente substituído por outras curiosidades após certo período.

No entanto, poucos adultos sabem lidar positivamente com essa fase e acabam atravessando as crianças com a sua própria moralidade e tabus, começando um processo castrador de disciplina e controle do exercício dessa sexualidade.

Tornam-se comuns aquelas famosas frases “tira a mão daí”, “senta direito”, “menina fecha as pernas”, para nomear algumas. O que já começa a contribuir desde a infância para que as crianças formem um entendimento negativo a respeito dos seus corpos e da vivência da sua sexualidade.

sexualidade na infância

É nesse momento da infância que também começam as primeiras manifestações da nossa identidade de gênero.

O mundo apresenta a dicotomia entre o masculino e feminino e as crianças vão assimilando e manifestando suas preferências. Se os adultos não tivessem feito essa escolha pela criança no momento do seu nascimento, seria nesse momento que ela começaria a se entender como menina, menino ou menine. Não que essa seja uma regra, lembre-se que cada pessoa possui a sua singularidade, por isso as manifestações podem acontecer antes ou até muito depois.

No entanto, perceba como uma visão limitada das expressões de gênero pode ter um impacto particularmente negativo e castrador nesse momento da vida.

sexualidade na infância

Quando tudo que se faz disponível é um modelo binário e heterocisnormativo de ser e existir, mais do que assimilar e manifestar suas preferências pessoais, o que acontece com as crianças é uma imposição das preferências pessoais dos adultos responsáveis pela sua criação. Que por sua vez demandam delas uma adequação a um modelo pré estabelecido de expressão da sexualidade.

Isso pode não parecer um problema tão grave quando a criança de fato se adequa a expressão de uma sexualidade dita masculina ou feminina e segue sua vida inteira de acordo com esses papéis. Mas pode ser a sementinha para muita angústia e sofrimento na adolescência e na vida adulta das pessoas que possuem formas de ser e existir que não cabem dentro desses padrões.

Leia também: O que é empoderamento feminino, afinal? Quais os objetivos e real impacto na sociedade?

A sexualidade durante a adolescência

sexualidade na adolescência

Durante na adolescência costuma acontecer o desenvolvimento da nossa sexualidade com uma conotação digamos…mais sexual. É quando de fato descobrimos o prazer de tocar o nosso próprio corpo e o corpo do outro em um sentido erótico, que não tem mais a ver com aquela curiosidade infantil.

É também nesse momento que geralmente conhecemos a preferência dos nossos afetos e descobrimos a nossa orientação sexual.

Naturalmente sua liberdade para experimentação desse processo é muito influenciada pelas verdades que lhe foram ditas sobre você mesma durante a sua infância. E é aí que mora o grande desafio.

sexualidade durante a adolescência

Tantos tabus, proibições e crenças limitantes a respeito do que é sexualidade, e de como ela deve ser vivida, tornam-se um prato cheio para a construção de relacionamentos negativos e distorcidos com você mesma, com seu corpo, com a sua autoimagem e com o outro.

A pornografia é quem ensina

a pornografia é quem ensina

Pela dificuldade de tratar do assunto de uma forma positiva dentro de casa, muitos adolescentes encontram na pornografia uma maneira de se introduzir ao mundo do sexo e matar a sua curiosidade.

O problema é que ela ensina tudo errado!

A maior parte dos conteúdos pornográficos envolvem algum tipo de violência física ou verbal e exibem um sexo falocêntrico e performático que nada tem a ver com prazer genuíno. Nada tem a ver com o deleite de vivenciar a sua sexualidade de forma positiva e potente.

Leia também: O que é vulva? É o mesmo que vagina? Entenda sua função e estrutura anatômica

Direto ao capítulo 2: o sexo

o sexo

Pessoas que foram tolhidas desse processo natural de descoberta dos prazeres do corpo na individualidade, o que é muito comum no caso de meninas, podem acabar nunca vivenciando essa fase tão importante na vida.

Com isso, tornam-se jovens e adultas que pulam o capítulo 1 da sua própria história e vão direto para o capítulo 2: o sexo com outra pessoa. E fazem isso sem ter a menor ideia a respeito do seus prazeres, suas preferências e seus limites.

Não é por acaso o grande percentual de mulheres cisgêneros que relatam ter algum tipo de dificuldade para gozar: cerca de 55,6% das que se declaram sexualmente ativas (Pesquisa Mosaico 2.0, 2016).

Leia também: Zonas erógenas do corpo feminino: explore todas as suas possibilidades

O que é sexualidade positiva?

o que é sexualidade positiva

Como você pode perceber, apesar de estar relacionada à nossa individualidade, a sexualidade, que é a nossa forma de ser e existir no mundo, também está diretamente relacionada a questões que envolvem o coletivo.

Ela é um assunto multidisciplinar pois é impossível refletir sobre o que é sexualidade humana sem passar por aspectos biológicos, emocionais, psicológicos, sociais e culturais que influenciam a maneira como vivenciamos essa experiência na nossa individualidade.

Como nossa sociedade nutre muitos tabus, paradigmas e crenças limitantes a respeito da sexualidade, isso impacta diretamente a relação que estabelecemos com o nosso corpo, a forma que existimos no mundo e o nosso prazer de viver. Isso pode ter início na nossa infância, mas nos acompanhará ao longo de toda a nossa vida e pode ter consequências muito nocivas e por isso se faz necessária alguma força propulsora para transformar essa realidade.

A sexualidade positiva é essa força

sexualidade positiva

Sexualidade positiva é sobre promover uma educação sexual que nos acompanhe desde o princípio da nossa existência, passando pela nossa infância, adolescência e vida adulta de forma a celebrar o fato de sermos seres sensoriais e incentivar a descoberta pessoal do nosso prazer. Seja na individualidade ou nos relacionamentos construídos de maneira respeitosa e afetuosa com o outro.

É por essa natureza transformadora que dizemos que a sexualidade positiva tem em si um caráter político. Pois é necessário que haja um compromisso para desconstruir as visões nocivas da sociedade a respeito da sexualidade. E reorganizar aquilo que conhecemos atualmente por educação sexual de modo que ela contemple essa parte fundamental do desenvolvimento das pessoas: a descoberta do deleite de habitar um corpo que é sensorial, erógeno e repleto de possibilidades de prazer.

Isso precisa preceder as preferências individuais dos nossos pais, os interesses econômicos, as demandas dos meios de produção e as ideologias de superioridade e supremacia de alguns seres sobre outros. É sobre a criação de um espaço para que todas as pessoas, antes de serem “alguma coisa”, possam apenas ser.

Isso sim é sexualidade vivenciada de uma maneira positiva e potente!

Leia também: O que é clitóris: entenda a estrutura e funcionalidade do órgão do prazer feminino

A sexualidade positiva muda o mundo

sexualidade positiva no mundo

Imagine por exemplo o estereótipo de beleza que é proposto pela nossa sociedade: corpos magros e brancos (ou de pele muito clara), heterocisnormativos, sem qualquer deficiência aparente, de cabelos longos e alisados.

  • Qual o impacto da imposição desse estereótipo para a vida das pessoas que fogem a esse padrão?
  • Como se constitui a autoimagem dessa pessoa a partir de tais referências?
  • Como será a relação dessa pessoa com o seu próprio corpo?
  • Haverá incentivo para o desenvolvimento do autoamor ou ela será ensinada desde cedo a se ver como uma outridade da beleza? Alguém feia, diferente, problemática?
  • Como o espaço urbano se projeta para atender às necessidades dessa pessoa?
  • Qual a disponibilidade das demais pessoas para trocar afeto e amor com este corpo que foge ao padrão?
  • Qual a disponibilidade das pessoas que estão dentro das instituições oficiais para proteger esse corpo de sofrer qualquer tipo de violação ou agressão?
  • Qual o efeito desses atravessamentos na linhagem de famílias, geração após geração?
sexualidade positiva no mundo

Não levantamos essas perguntas com a intenção de darmos respostas certas, mas sim para que você perceba e reflita sobre o tamanho da complexidade envolvida quando falamos em sexualidade humana. Para que você perceba a partir de um breve exemplo como isso se relaciona de maneira sistemática com muitos aspectos da nossa vida individual e coletiva.

As implicações de habitar um corpo fora do estereótipo padrão, por exemplo, impacta muito mais do que somente a intimidade e o sexo. Cria uma experiência negativa sobre a forma que existimos e circulamos no mundo, amplia desigualdades, retira autonomia e concentra poderes e privilégios.

É por isso que dizemos que a sexualidade positiva tem essa capacidade de transformação política. Pois atua na base de uma questão muito fundamental da nossa sociedade: a compreensão de que todas as pessoas são belas e potentes nas sua diversidades e singularidades.

sexualidade positiva

Enquanto imperar o tabu, a opressão e o controle do exercício da sexualidade das pessoas, nós precisaremos da força motriz da sexualidade positiva.

É através delas que crianças serão capazes de desenvolver uma relação saudável com o seu próprio corpo e uma consciência dos seus contornos e limites que devem ser acolhidos e respeitados pelas outras pessoas.

É através dela que adolescentes construirão um entendimento mais saudável sobre o sexo, privilegiando o respeito e o prazer mútuo no lugar da fantasia, da aparência e da performance.

É através dela que adultos poderão se reeducar, se empoderar de suas escolhas e conquistar autonomia para decidir sobre o próprio destino e para transformar os espaços de poder que são excludentes.

Todos temos muito a ganhar com a sexualidade positiva porque é através dela que nos tornamos capazes de enxergar potencialidades em todos os seres.

Leia também: Terapia Orgástica: despertando prazeres inexplorados

A sexualidade positiva e a potência orgástica

sexualidade positiva e potência orgástica

A sexualidade positiva é capaz de nos beneficiar com autoconhecimento e a autonomia sobre o nosso corpo, e estes são instrumentos fundamentais para nos sentirmos livres, satisfeitas e plenamente realizadas na vida, mas também, naturalmente, nos nossos momentos íntimos de prazer. Sozinhas ou acompanhadas.

Primeiramente porque sexualidade positiva é sobre desconstrução de tabus. O que nos ajuda a desligar aquela chavinha da culpa e da vergonha na nossa mente e contornar os obstáculos da difícil relação que temos com o nosso corpo. Autorizando-o para receber o toque, o carinho e o estímulo sensorial e sexual.

potência orgástica

E em segundo lugar porque te dá conhecimento sobre a sua anatomia e fisiologia prazerosa. A partir do momento que você entende como funciona a sua libido e como você pode tocar e estimular as regiões de prazer do seu corpo isso, se torna uma ferramenta muito potente nas suas mãos.

Quando nos conectamos mais verdadeiramente às sensações do corpo, somos capazes de atingir estados mais elevados de excitação, com mais acúmulo de tensão e carga sexual, que por sua vez resultarão em descargas mais potentes e intensas em prazer.

potência orgástica

Ou seja, ter esse autoconhecimento e autonomia sobre si representa a diferença entre o orgasminho e o orgasmão. E é isso que chamamos de potência orgástica. A capacidade e inteligência do nosso corpo em acumular tensão e carga sexual e descarregar essa energia de forma prazerosa e intensa. Capacidade e inteligência que já estão aí, e que só precisam de estímulo para serem despertadas.

Por isso, se você está buscando construir uma relação mais potente com o prazer de viver e com o prazer sexual na sua intimidade, a sexualidade positiva é o caminho!

Leia também: Orgasmos múltiplos feminino: O que são? Qual é a sensação?

Conclusão

conclusão

Seja qual for a sua identidade de gênero e a sua orientação sexual, se você está solteira ou se encontra em um relacionamento de longa data. Se tem filhos ou não. Se é jovem ou velha. Todas as pessoas podem se beneficiar da construção de uma relação mais positiva e potente com a sua própria sexualidade.

Afinal, vimos que por mais que você nunca tenha dado prioridade para isso nas sua vida, sua sexualidade é uma experiência que sempre esteve aí, te acompanhando desde o princípio da sua existência. E permanecerá aí até o fim. Pois ela é a forma como você experimenta o mundo ao seu redor.

Por isso, faça a escolha consciente de vivenciá-la de uma maneira mais positiva e potente. Continue buscando informação para desconstruir suas crenças limitantes e castradoras. Nunca será tarde demais para começar, musa!

Gostou desse conteúdo e gostaria de aprender muito mais? Confira as nossas Aulas Temáticas de Sexualidade Positiva e empodere-se ainda mais do seu corpo e dos seus prazeres.

Que tal continuar a leitura?

comentários

Seja a primeira a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.